Organizações sociais = alicerces da sociedade

Penso que temos usado e abusado do termo “social” sem nos darmos conta de que o tornamos uma coisa, um dado irrefletido, uma noção vazia de sentido próprio. O social mais parece um lugar ao qual nos dirigimos para praticar esportes radicais de vez em quando.

O “social” tem deixado de ser uma referência à dimensão intrinsecamente relacional e associativa da vida em sociedade para ser tomado como um “campo” específico.

Por isso, é bom refletir sobre o fato de que o social designa a forma como nossa sociedade se estrutura e se movimenta – por meio da agregação das pessoas, suas necessidades, visões e interesses em processos relacionais para onde convergem as semelhanças e os interesses comuns.

Social remete a associativismo, a grupos informais onde identidades socioculturais se plasmam, a redes de relacionamento e a relações de solidariedade, todas fundamentais para criar a sociabilidade pela qual a vida em sociedade se torna possível.

[SOCIAL = associação = relação = agregação = catalisação]

Os grupos comunitários, as associações de todo o tipo e as organizações sociais (Ongs, grupos culturais, clubes esportivos, sindicatos, movimentos, etc.) tem um papel muito importante como catalisadores deste processo de socialização e de agregação social.

Estas OSCs contribuem com a transformação de privações e necessidades em demandas ao sistema social e político, via mecanismos como associações comunitárias, conselhos de políticas públicas, conferências temáticas, orçamentos participativos, etc. Elas ajudam na identificação de problemas no acesso a direitos, assim como favorecem a geração de novos direitos.

De certa forma, as OSCs contribuem para o processo permanente de constituição da sociedade como ela é e com o processo de sua renovação e mudança.

Por isso é tão importante a visão de que projetos sociais só tem chances de êxito e de sustentabilidade de seus resultados se os “entes sociais” que os elaboram, promovem e nutrem – as OSCs – forem adequadamente apoiadas e reconhecidas,

Afinal, seria possível imaginar bons projetos sem organizações sociais qualificadas?

Não, é claro que não…

Mas então porque a maior parte dos financiadores de projetos opta pela visão de que só é necessário apoiar projetos sociais e não as organizações?

Voltarei a este tema na virada do mês.

Até lá. 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s